quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

CHUVAS E MISÉRIA

Por Vânia Moreira Diniz

Essa é a época mais triste do ano em quase todo o Brasil.Milhares de pessoas estão morrendo soterradas pela avalanche das chuvas que tomam conta do país.O pior é que isso acontece todos os anos e a tristeza envolve milhares de famílias que não têm para onde ir. As autoridades anunciam que as pessoas devem sair sair de suas casas e a pergunta que não quer calar é: Para onde?

Será que depois de tantos anos não compreenderam que precisa ser feito um trabalho de prevenção? Meu Deus, será mesmo que a vida humana está banalizada a tal ponto que os responsáveis por este país não se preocupam com isso?

Será mesmo que não entendem que a vida é finita demais e precisa ser realizada alguma coisa para que nossos concidadãos não enfrentem esse desespero? E que cargo, poder e tudo mais que encanta as autoridades desse país, nada valem diante de uma vida humana?

Não basta a miséria, a fome, a violência, o preconceito, a insegurança? Não basta que a educação e a saúde estejam num patamar tão baixo a ponto de muitas pessoas não terem acesso a elas? Até que ponto querem martirizar os cidadãos desse país, trabalhadores que procuram educar seus filhos e viver uma vida miniamente digna?

Muita gente está morrendo, outras feridas e ainda outras sofrendo pela perda de suas casas, de suas coisas e acima de tudo dos entes queridos agonizantes e desesperados ali ao seu lado e que a impotência impede de salvá-los?

Uma vida humana é muito mais importante do que carnaval e Copa do Mundo. Nâo entendem isso? Não compreendem que não podemos ter paz sabendo que pessoas como nós estão desesperadas almejando pela dom mais precioso e legítimo que é a sua própria vida?

Sim vamos vibrar com a legítima festa folclórica de nossos país e com a vitória de termos conseguido a sede da Copa no Brasil. Mas antes disso precisamos olhar, lutar, gritar, pedir ajuda para essas milhares de pessoas e famílias que estão morrendo sem socorro e que interrompem nosso bem mais precioso que é a vida.

Quando assisto a essas reportagens sobre o que está acontecendo em consequência das chuvas, fico imaginando como sou egoísta nesse momento em que nos divertimos enquanto pessoas morrem e a única coisa que desejam é sua casinha para abrigar a família e da qual estão sendo enxotadas pelo mau tratamentos de condições necessárias para que permaneçam lá.

A vida é uma só, todo o resto é possível reestruturar menos a presença nesse mundo depois que nossos olhos se fecharem.

O mundo inteiro está cada vez mais apaixonado pelo poder, pela fama, pelo dinheiro, esquecendo que nada vale, diante do curto espaço de vida que temos para usufuir, ser felizes e cumprirmos nossa missão e que está sendo abreviado pelo excesso de individualidade e indiferença, elementos letais que ultrapassam todos os bens do mundo.

Vamos novamente pedir às nossas autoridades que lembrem um pouco da vida daqueles que de uma forma ou outra dependem de sua competência e dedicação. É quase utópico falar dessa maneira, mas nós que escrevemos que podemos transmitir alguma coisa ainda temos esperança que as futuras gerações possam ser tocadas pelo dom da solidariedade, do amor e do entendimento que enquanto os seres humanos não se unirem a vida será amarga e e dolorosa.

Na minha opinião a corrupção, os gastos desmesurados e a exorbitância de valores gastos com propaganda seriam suficientes para a prevenção desses acidentes e naturalmente o atendimento das necessidades básicas do povo que sofre.

Sobre a autora: Vânia Moreira Diniz, Ph.I., é presidente da Academia de Letras do Brasil, Seccional Distrito Federal (ALB/DF)

4 comentários:

  1. Avspe- Efigênia Coutinho12 de janeiro de 2012 18:40

    Excelente artigo de nossa Escritora Vânia Diniz, esse é o nosso Brasil de hoje!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom seu texto. Precisamos agir e reagir e a arma dos escritores é escever. Parabéns, queridqa. Saudades
    Maizé

    ResponderExcluir
  3. Vânia querida , gratificante ler esta tua profunda e comovente reflexão,uma chamada para o senso de realidade,coerência. Parece que exercitar o pensamento crítico ausentou-se na maioria dos políticos ( governantes ) e do povo em geral, que tem memória curta e quando vai às urnas repete , elegendo os mesmo, é preciso mudar e temos que agir. Minhas congratulações Escritora Imortal, Poetisa e manamiga, mestra querida.
    saliento do Teu Texto :

    "...Sim vamos vibrar com a legítima festa folclórica de nossos país e com a vitória de termos conseguido a sede da Copa no Brasil. Mas antes disso precisamos olhar, lutar, gritar, pedir ajuda para essas milhares de pessoas e famílias que estão morrendo sem socorro e que interrompem nosso bem mais precioso que é a vida.

    Quando assisto a essas reportagens sobre o que está acontecendo em consequência das chuvas, fico imaginando como sou egoísta nesse momento em que nos divertimos enquanto pessoas morrem e a única coisa que desejam é sua casinha para abrigar a família e da qual estão sendo enxotadas pelo mau tratamentos de condições necessárias para que permaneçam lá.

    A vida é uma só, todo o resto é possível reestruturar menos a presença nesse mundo depois que nossos olhos se fecharem. ..."

    Aproveito para agradecer tua amável consideração para com meu Luar em Versos (singelos) através dos grupos, teu incentivo a mais de uma década é ouro em pó! Como disse Salomão: A Palavra é ouro servido em bandeija de prata !

    abraços de puro afeto desta tua admiradora e sempre grata amiga, virgínia fulber

    ResponderExcluir
  4. Janeiro, verão, as chuvas caem em revolta as ações do homem contra a natureza, enchem os rios que carregam garrafas, galhos, colchões, carros, casas, vidas, sonhos...
    Dois mil e doze começa igual arrastando Minas de serras com as serras do Rio de Janeiro. Em Rondônia, gados de leite e de corte rumam para a morte em pastos com casas de castanhas,num desmatamento que não vemos na TV num calor amazonico.
    Um 2012 renascido da harmonia universal onde os homens creem nos homens, na natureza, na ciência, na agricultura, na preservação, na precaução, nas artes, na literatura, na multiplicidade de cores, de raças, de etnias, de vontades, de gênero.
    Um 2012 de vitórias conquista e consciência do povo negro. E possamos caminhar de cabeças erguidas num mundo de diferenças, de respeito, de solidariedade,além de semelhantes em Paz.
    UM 20axé12.
    jorge amancio
    http://negrojorgen.blogspot.com

    ________________________________________

    ResponderExcluir