quarta-feira, 1 de novembro de 2017

HORTA ORGÂNICA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

Por Paccelli José Maracci Zahler (Brasília, DF)


SETOR BANCÁRIO SUL (2017)

Por Paccelli José Maracci Zahler (Brasília, DF)


O GATINHO

Por Paccelli José Maracci Zahler (Brasília, DF)

Vivia triste e sozinho
Até Deus colocar um gatinho

No seu caminho.

VIVA A CULTURA BRASILEIRA

Por Gustavo Dourado (Taguatinga, DF)

Viva nosso Saci Pererê
O Caipora, O Curupira
Viva a Mula Sem Cabeça
Viva a jurema e a jupira
O jegue e o lobisomem
A imburana e a imbira...


(Gustavo Dourado é presidente da Academia Taguatinguense de Letras – ATL)

LABIRINTO

Por Maria Félix Fontele (Taguatinga, DF)

Novembro bate à minha porta
Em outro tempo, em novo dia
E aquela canção antiga exorta:
Não há outro tempo, nem novo dia
Mas um só novelo que tece a sorte
Nesse labirinto onde ora vivo
Nele viverei também na morte!


MOUSTACHISM

By Arjun Singh Bhati (Jaisalmer, India)

The thick, oily moustache and colourful turban are the typical characteristics of a man from Jaisalmer. We have a very interesting competition during the desert festival of Jaisalmer, which is held in the month of February every year. The most interesting and popular event- moustache. Well, lots of young men here oil their moustaches for years and participate in this most popular competition. When the most fortunate one wins, he comes on to the stage with a hand on his oily thick moustache saying, ‘Friends, a man is incomplete without his moustache.’ And in the evening a big party is arranged to honour him and his moustaches. I think he the winner would be as happy as a man who has won a gold medal in the Olympics. There might even be a good chance for us to win a world’s most reputed competition-‘who will be Mr. Desert.’ But one cannot even participate in the event if on level moustache competition! Lots of foreign tourists take photos of the wonderful model representing the customs of the Thar Desert, Jaisalmer.
I remember that I never removed my moustache. If I had removed my moustache, my grandpa would have not have allowed me to enter the home. ‘A man having a moustache is the perfect man, a traditional man.’ ‘It is the symbol of being a man,’ and he added, ‘If your aunt had a moustache, she would be your uncle then,’ he declared, touching his rounded moustache like scorpion’s tail. ‘How easily a moustache could change the sex of a person,’ I thought.
  I once asked my Grandpa, ‘It is a personal choice. Why do you connect it with your traditions?’ My grandpa smiled and replied, ‘If you talk about personal choice, then I say to cast your vote is your choice. We have nothing to do with whom you cast your vote to, which political party you support, because that is not a question of our traditions and customs. But to keep your moustaches has everything to do with our traditions and customs.’
          Even my wife says that she likes me having moustache. I think lot of things have changed, but if we talk about moustaches, nothing has changed here.
I remember how my grandpa gave me a lesson on the importance of the moustache, telling me a very interesting story illustrating moustachism
Once there was a landlord. He was very rich and belonged to highly-reputed family. He lived in a far, remote village. But Lakshmi (the goddess of wealth) is fickle by nature. During frequent droughts he lost everything he had. He sold all his land, gold and silver. He was now poor and he had nothing to support his family. He went to another village to borrow some money from a rich merchant. He introduced himself to the rich merchant. As he belonged to high class and reputed family, the merchant gave him a warm welcome.
But, when the landlord said, ‘I want to borrow some money from you. I will work hard and pay you back soon,’ the merchant became worried. He thought for a while and replied, ‘Dear Sir, we have some conditions of for lending money, which  mean if you want to borrow some money, please give me something like the deeds to your land, or some valuable jewellery or ornaments just for security, and when you pay me back,  I will give all your belongings back to you.’
The landlord looked down and said, ‘I have lost everything; sorry I have nothing to give you for security.’ He started to withdraw, then suddenly the merchant said, ‘You have something which is more valuable than land, gold, silver and all you’re other belongings.’
 ‘What is that?’ The landlord replied with great curiosity.
‘Give me one hair of your moustache. I will keep that as a security.’ The landlord thought for a while and gave one hair of his dry, uncombed moustache and got some money in return. The merchant kept that hair in a small silver box for years.
The merchant was very intelligent. After some years the landlord came back, paid the money to the merchant with interest and got his moustache hair back. The landlord did not want his children to find out that their father had sold his moustache. A man’s moustache was, and still is the symbol of masculine prestige and pride in the western part of Rajasthan.


LUZES DA RIBALTA

Por Ernesto Wayne (Bagé, RS)

Esse tal e tamanho fingimento,
O tanto disfarçar que é dos atores,
É, no fundo, ter tanto sentimento
Que chora rindo e ri de suas dores...

Tem duma personagem pensamento;
Doutra, depois, assume outros valores:
O que ele é representa no momento
Em que sozinho está nos bastidores...

E se sofre ao abrir uma cortina
Esse pesar parece que termina
Mas, se tiver algumas alegrias

Ficam no camarim, não nas coxias,
Pois o mundo real é o cenário
Só há, fora do palco, o imaginário...


(Ernesto Wayne é patrono da Cadeira nº 09 da Academia de Letras do Brasil, Seccional Distrito Federal)

HER WEDDING DRESS

By Arjun Singh Bhati (Jaisalmer, India)


She looks very beautiful in her ‘wedding dress.’ White twinkling mirrors on a red background makes her my ‘favourite lady.’ She wears this dress on special occasions. It takes more than an hour to fold and keep it in her safest tin box with a strong padlock. Perhaps it is the most valuable treasure she has among all the things she possesses. Every month she checks it and puts in the mothballs to keep it safe from clothes moths. This dress is her pride, her love.
She loves this dress as it was sewed by the person who was the most perfect tailor of wedding dresses for newly married brides in our community.
‘I am going to my parent’s home,’ she told me. She woke up very early today, finished all her household chores. Now she was standing in front of the only mirror in my room. She was in her beautiful wedding dress, making herself up. I was reading a book. ‘In such a poor dress’, I winked at her. She smiled but said nothing perhaps she was very busy in making herself up. I thought, ‘It is not good to disturb a lady when she is busy with her make-up box’. If I am right, she never went to any beauty parlour, but I think she knows more than any trained beautician. ‘Ladies from outside India are so simple, they do not use any ornaments or fine dresses; you see them always in the market,’ I told her. I knew that tourists always use simple clothes and minimum jewellery when they are on journey but I wanted her to speak. ‘You always ask for something, new rings or a new necklace. You should learn from the foreign ladies,’ I added. ‘If a lady does not like ornaments or new dresses, she is not a lady for sure,’ she replied. ‘Ha,’ I laughed. ‘I do not agree with you, Madam Anita.’ She came close to me and I could see a local Jaisalmeri lady singing, ‘Diamonds are girl’s best friend….’ ‘Wow! Look at that, ‘Marilyn Munroe in local traditional dress.’ I could not believe on my eyes. ‘So, Mr. Singh, this song is not from Jaisalmer, I hope you know well,’ she said with great pride. Yes, she taught me a good lesson. Of course, ladies from all over the world like to look beautiful. Yes, most beautiful.
She was going to her parent’s home today to join a special occasion, called ‘Bari Bentarna. Omji, a popular tailor in our community, a wedding dress maker, was coming to sew a wedding dress for her younger sister. It was just a week before marriage of Meenakshi, her younger sister. It reminded me of the day, when there was the same occasion was at my home before my wedding.
It was a big function at my home. All the relatives came to my home. Everyone was waiting for the most important person, Mohan Ji, the tailor. He was a (highly-skilled might be better than perfect) perfect traditional dress maker.
In my community ladies do not wear Saris but a traditional costume: a set of clothing that consists of four pieces, Kurti, Kanchali, lehanga and Odhana. Although there are many tailor’s shops in the market, ladies of my community never go to these shops, but they invite the tailors to their home with his sewing machine and give him full honour and respect. Sometime it takes more than a month to book the tailor, as there are no more than three or four tailors in whole city who can sew these traditional dresses. The tailor comes in the morning, chooses an open space in the house with enough light and shadow, sits on the ground and works till late evening. Mostly he uses old dresses for the measurements. Mohan Ji was the only tailor who could sew a perfect dress for a lady without taking any measurements, he only needed to look at her body to get an idea and complete his job to perfection.
Mohan Ji came right on time. One could learn a lesson of punctuality from him. An old man of sixty years carrying a sewing machine on his shoulder and scissors in his hand was right at the door of my home. My mother came out, poured a glass of water at his feet, and gave him a sweet offering. It is a good omen to greet the man who is going to sew the wedding dress of one’s son’s wife. It is all to ensure the happy married life and the long life of the bride and groom. The life of the wedding dress is always supposed to be as long as the life of the husband. After husband’s death, his widow is not allowed to use the wedding dress from then on.
Mohan Ji adjusted his sewing machine in the verandah, where he could get enough light. Ladies were singing marriage songs. Just before starting to sew the wedding dress he wanted to see the bride for her measurements. To my surprise, when my mother told him about my wife’s family, he knew them as he was also their family tailor and he knew the girl (my wife) for whom he had to make the wedding dress. So, without taking any measurements, he started his sewing machine to sew the most important and holy dress for her wedding with only with an idea of her size. Wedding dresses are always the gift of the groom’s family, the style chosen by them but always red in colour. It took more than three hours to complete this special dress. Mohan Ji also sewed some other traditional regular dresses for my mother
But he still had lot of dresses to make for other family members, for my sister and aunts.
When he finished his day’s job, delicious food was served to him and a woollen shawl, a coconut fruit and 101 rupees extra than his daily fee were gifted given to him. He went with a promise to come back next day. It was the wedding season. ‘We will be waiting, Mohan Ji’, my mother reminded him. My mother was very happy; finally the man, who sewed her own wedding dress, sewed the wedding dress for her son’s wife. She told everyone that she had spent a very happy life with my father and wished the same for me and my wife. Well, it was a busy day for all of us, and after a delicious dinner my relatives said goodbye to us and went.
Next day my mother again woke up early in morning, cooked food for us, and kept the sewing machine at its proper place. It was 8.15 in the morning. My mother asked me to go to Mohan Ji’s home. He was late today. His home was not far from my home, and it took ten minutes on foot. I could see about ten or fifteen people outside the tailor’s home. They were all wearing white turbans. White turbans are symbol of mourning for Hindus. I went close to them and asked. ‘He died peacefully last night in his sleep’ a man replied. I stood in the street there for five minutes, prayed for the peace of the Holy Spirit, saluted the great artisan who played an important role in keeping the traditional sewing style in its genuine form and, most importantly made the wedding dress for my wife. It was the last wedding dress from Mohan Ji. The death of Mohan Ji, who sewed traditional dresses for more than forty years for most of the ladies of my community, was a great loss for all of us. But fortunately, he trained his sons and nephews in the same art and they are working hard, they are earning good money and preserving the old style of sewing as well.
Om Ji who is the great successor of Mohan Ji is going to sew a dress for Meenakshi today and my wife is going to attend that same grand function of Bari Betarna.

Notes- Bari- a wedding dress consists all the four pieces Kurti, Kanchali, Parra and Odhana, especially red in colour.
Betarna- to sew the wedding dress.
Kanchali- a full sleeve blouse used under the Kurti. (like full sleeve bra)
Kurti – a full sleeveless blouse that covers from neck to waist.
Lehanga- a full skirt from waist to toe, mostly with an embroidered hem.
All the above three pieces are made from same material.
Odhana. A two-meter long thin and light piece of cloth, different in the quality from other pieces but of the same matching colour.
Sari- a five-meter long piece worn with a blouse and a petticoat, used mostly in cities by ladies. (Not traditional)



SONETO DO MURO E DA GRADE

Por Ernesto Wayne (Bagé, RS)

 Eu certa vez fui preso (e estou preso),
Posto no cárcere só pelo meu sonho:
Ninguém sonha e sai do sonho ileso,
Grades do pesadelo não transponho

E quem quiser sonhar fica indefeso
Um muro cerca o sonho e é medonho
Como é medonho o fósforo que aceso
Sob as unhas me acorda em entressonho.

Para os que mandam o sonhar é tétrico
- Tétrico tanto como o torturar -
Termine com o sonho o choque elétrico:

É porque o sonho pode ser verdade
E não ser tão onírico o lutar
Que pode ser o sonho liberdade...


(Ernesto Wayne é patrono da Cadeira nº 09 da Academia de Letras do Brasil, Seccional Distrito Federal)


SONETO DA FUTURA MORADIA

Por Ernesto Wayne (Bagé, RS)

São por dentro e por fora estas misérias
As que, vivendo, vi, dia após dia;
Foram, no meu espírito, matérias
Que à descrença levaram ao que cria...

Esse não se importar com lidas sérias
Que fez com que eu não fosse o que seria:
Eu, na minha alma, nunca tive férias
Que na alma minha tudo me feria...

Agora descansar num balneário
Todos me recomendam pra que vá:
Diárias baixas para o meu salário...

Me prometem, assim, coisas mais calmas:
Vão-me levar pro céu de anil onde há

Colônia de repouso para as almas...

(Ernesto Wayne é patrono da Cadeira nº 09 da Academia de Letras do Brasil, Seccional Distrito Federal)

MEU CACHORRO ATAHUALPA





  Por Urda Alice Klueger (Enseada de Brito, SC)                   


  (Para Bartolomeu Moreira Monteiro)



                                   Penso que, no mundo dos cachorros, Atahualpa às vezes aparece como um cachorro exibido, como algumas crianças que viajam para a Disney e depois ficam se pavoneando na escola, cheias de importância, diante de amiguinhos que talvez só foram ao Beto Carrero[1] ou talvez nem lá foram.
                                   É que Atahualpa é um cachorro de apartamento, e no condomínio onde moro, que tem 64 apartamentos, deve ter pelo menos uns 40 cachorros (mais dois gatos e dois papagaios, quanto sei), e tirando um outro cachorro que anda até de moto, Atahualpa foge inteiramente ao modelo “cachorro de apartamento”.  Desde o primeiro dia que chegou que eu o levo por todos os lados onde posso, deixo-o correr livre pela natureza, acampo com ele, deixo-o comer tudo o que um cachorro pode comer. Ouço horrorizadas expressões de gente moderna, que tem cachorros modernos, movidos à ração:
                                   - Não se pode dar nada além de ração aos animaizinhos! Leite, nem pensar! Tu estás louca – leite lhes dá dor de barriga!– e então lembro dos cachorros da minha infância, que comiam arroz, feijão, salada e carne, como todo o mundo, e aipim com molho, ou pão com manteiga ou sem manteiga, ou fosse lá o que fosse, e viviam longas vidas de 15, 20 anos, o que é velhice extremada para um cachorro. E deixo Atahualpa comer de tudo (em uma das refeições do dia faço questão que ele coma ração, tipo complemento alimentar, assim como as mães fazem as crianças tomarem complexos vitamínicos), e ele começa o dia querendo bolo com leite, bem misturadinho, amassadinho, para não ter o trabalho de mastigar. Há que ser bolo, pois pão, para ele, exibido como é, nem pensar – se bem que noutro dia, num camping, apareceu um cachorro faminto que devorou quase todo o pão que eu tinha, e então, na coisa da competição, Atahualpa se tomou de amores pelo pão, e comeu pão seco com o maior apetite e a maior voracidade. Tirando tais exceções, no entanto, há que ser bolo, e virei uma formiga carregadeira a trazer bolos ingleses do supermercado, sendo que eu quase nunca como bolo e Atahualpa tenha definida preferência pelo bolo inglês, que num instantinho some da embalagem, diante do apetite dele.
                                   Ele adora carne, claro, mas peixe, nem pensar. De peixe, a única coisa que gosta é de lagoas de peixe, onde há plantas aquáticas que ele ataca aos latidos, agarra-as com os dentes, acaba por mergulhar na água, e sabe como é, lagoas de peixe normalmente têm um certo cheiro característico, e depois de tais mergulhos, há que se levar Atahualpa para casa e botá-lo debaixo do chuveiro, outra coisa inconcebível para cachorros de apartamentos, que tomam banho em pet-shops sofisticados, são secados com secador e cortam as unhas com tesourinha. Só uma vez um veterinário se meteu à besta e andou cortando as unhas do meu cachorrinho – nunca mais tal ato se repetiu. As unhas de Atahualpa se gastam de tanto andar e correr, seja no cimento das calçadas, seja nos amplos espaços da Natureza, como na beleza desta pousada onde estou nesta sexta-feira-santa, com direito a lagoa de peixe, rio, matas e campinas de grama com muitas flores, e ontem à noite Atahualpa chegou de volta tão molhado e tão cheio de carrapichos, que um dos olhos dele nem abria, tantas foram as camada de carrapicho que foram se sobrepondo umas às outras na sua peluda cara de cachorro safado, e eu tive que ajudá-lo a livrar o olho e o resto do pêlo, e ele estava com tamanha fome que devorou um pote de ração sem o menor constrangimento, ele que faz todo o tipo de frescura para comer só bolo e carne.
                                   Diria que Atahualpa é um cachorro feliz, enquanto o observo, neste momento, em correria e lutas com uma cachorra adulta daqui da pousada, um feixe de músculos a corcovear pela grama, ao lado da lagoa de peixes, coisa que não seria admitida pelos donos dos seus colegas ”de apartamento”. É por isto que digo que acho que ele deve se comportar muito exibidamente diante da sua turma, tipo aquelas crianças que viajam para a Disney e que depois se acham mais importantes que as outras nas salas de aula. Também, pudera! Quantos cachorrinhos tem a vida que ele tem?

                                               Blumenau,SC, 21 de Março de 2008







[1] Beto Carrero: Parque temático onde adultos e crianças se divertem, no Estado de Santa Catarina/Brasil.

AIMAR KÃM-REM

Por Urda Alice Klueger (Enseada de Brito, SC)

Hoje conheci o Sr. Aimar Kãm-Rem, e ainda estou emocionada por ter tido a oportunidade. Quem é ele? Um artista do cinema internacional, um famoso cientista estrangeiro? Nada disso, Aimar Kãm-Rem é genuinamente catarinense, mais genuinamente catarinense do que qualquer um de vocês que estão lendo este texto e, apesar de falar corretamente o português, na sua casa ainda se fala a antiga língua que era falada em Santa Catarina antes de Cabral e do Dr. Blumenau, a língua Jê, ou Tapuia, da qual ouvimos breve referência no tempo da escola.
Teria eu ido a um congresso de antropologia, ou a uma palestra sobre a FUNAI? Não, eu estava sentada à minha mesa no banco onde trabalho, e ele apareceu lá. Era um senhor bem vestido, de porte digno, com pouco mais de 60 anos e, à primeira vista, achei que seu rosto asiático se devia a alguma mestiçagem com japonês. Dirigiu-se a mim com a educação de um japonês, e seu português era correto e fluente, e eu nunca pensaria que aquele era um dos legítimos herdeiros do povo Xokleng, descendente direto dos seus caciques. Ele queria saber como se fazia para abrir uma caderneta de poupança. Expliquei-lhe e, ainda achando que estava lidando com um descendente de japoneses, pedi-lhe seus documentos. E quando ele me deu a Carteira de Identidade, eu amoleci por dentro, me arrepiei, fiquei besta: aquele homem era a História e a Imaginação, o Passado e a Tragédia. Tenho certeza de que ele não entenderia se eu lhe dissesse tudo isto, e não lhe disse, mas confirmei:
- O senhor é descendente do cacique Kam-Rem?
Ele era neto.
Deixem-me explicar a minha emoção.
Lá por 1988 eu passei quatro meses estudando tudo o que encontrei sobre o povo Xokleng, os primitivos habitantes da nossa terra de Santa Catarina, povo formado de bravos que se negaram ao extermínio e à amizade corrupta do branco durante quatro séculos. Foi só na segunda década do século XX que Eduardo de Lima e Silva Hoerhan, neto do Duque de Caxias e seguidor da filosofia de Marechal Rondon (“Morrer, se for preciso; matar nunca!”), conseguiu a amizade da tribo arredia, amizade conquistada às custas de muita música de gramofone tocada sob as arcada da floresta de região de Ibirama/SC. A música criou os primeiros laços: Eduardo cuidou do resto, e, aldeando a tribo, impediu o seu extermínio, já que na ocasião, tínhamos um genocídio institucionalizado em toda a região, genocídio que chegou aos tribunais internacionais e foi condenado em todo mundo. Dei apenas linhas gerais do que aprendi sobre os Xoklengs – aprendi muito mais, precisava de dados para escrever o capítulo inicial do meu livro “Cruzeiros do Sul”, romance que conta a formação do povo catarinense. E lembro muito bem de que, na época da pacificação, o cacique dos Xoklengs chamava-se Kam-Rem.
Em cima do verdadeiro cacique Kam-Rem criei o meu personagem Kam-Rem, cacique do povo Xokleng 300 anos antes, um imaginário cacique calcado num cacique real. A grafia dos nomes difere da do homem que conheci hoje, mas o som é o mesmo, e meu coração se acelerou de curiosidade e magia. Ele era nascido em Ibirama, em 1932, e era filho de Kundagn Yupliu e Rosa Káv-Vân Priprá, este último, também velho nome tribal que eu conhecia. Não podia haver dúvidas de que ele era um neto ilustre, que descendia dos antigos príncipes desta nossa terra, e puxei conversa sem complicar demais (acho que ele não iria entender se eu lhe falasse que era romancista e essas coisa assim). Perguntei-lhe se conhecera o polêmico Eduardo, e o que pensava dele. Sim, conhecera e gostara de Eduardo, quis saber se eu o conhecera também. Não, eu não tivera o prazer, apenas lera sobre Eduardo de Lima e Silva Hoerhan em livros, e o olhar inteligente de Aimar Kãm-Rem me confirmou que ele entendia que se pudessem aprender tais coisas em livros. Quis saber se ele chegara a morar no mato, no tempo em que os Xoklengs continuaram seminômades. Não, ele não morara. Nascera quase vinte anos depois que a tribo tinha sido “amansada” (foi ele quem usou a expressão que acho aviltante), e sempre morara no aldeamento ou na cidade. Na verdade, ele demonstrava ter tido uma excelente educação à la européia, inclusive razoável educação escolar, e seu porte era o porte digno de um homem de mais de 60 anos que se sente ajustado à sociedade em que vive.
Eu acabara de abrir a sua caderneta de poupança, e ele tinha que se ir. Pedi-lhe que me procurasse quanto voltasse ao banco. E ele se foi, sem imaginar as emoções que desencadeara em mim. Fiquei observando-o dirigir-se para a rua, com sua camisa xadrez e sua calça jeans – parecia mais com um japonês alto do que com um herdeiro de príncipes ameríndios. Aimar Kãm-Rem era inteligente, mas com certeza, não sabia do seu valor como herdeiro da História.


Blumenau, SC, 01 de Abril de 1996.

O DIA EM QUE DESCOBRI QUE AMAVA MEU PAI

Por Urda Alice Klueger (Enseada de Brito, SC)

1961. Eu só me dei conta que a coisa era séria mesmo quando ninguém foi para a aula. Estava no segundo ano primário, e para qualquer criança daquele tempo faltar a um dia de aula sem estar muito doente era um sacrilégio.
                                   1961. Eu morava na Rua Antonio Zendron, em Blumenau, e enxurradas eram coisas comuns e corriqueiras. O ribeirão da nossa rua com facilidade transbordava nos dias de trovoada, e corria rua abaixo com toda a velocidade, e muitas vezes voltávamos da escola com água pelas canelas, segurando-nos nas cercas para que a enxurrada não nos carregasse. Há que se lembrar que crianças de segundo ano ainda são pequenas, passíveis de serem levadas por águas furiosas. Um pouco mais adiante, creio que um ou dois anos depois, uma menina da nossa rua foi mesmo levada pela enxurrada e acabou morrendo. Era uma loirinha gêmea, e já não sei mais o seu nome. Mas lembro que seu corpo foi encontrado no terreno do seu Maneca dos Tubos, que ficara alagado com as águas do nosso ribeirão.
                                   Mas estávamos em 1961, e a coisa estava sendo MUITO mais séria. Não era só o nosso ribeirão que transbordara: transbordara, também, o Ribeirão Garcia, que cortava todo o nosso bairro, e o Rio Itajaí, o grande Itajaí, que lá na aurora dos tempos escavara um Vale chamado Vale do Itajaí, onde era o nosso mundo.
                                   Em 1961 as notícias chegavam na casa da gente através do rádio. E  meu pai tinha saído para trabalhar antes da nossa rua ser fechada pelas águas, e depois todas as ruas baixas foram sendo fechadas pelas águas. Então, ficamos com o rádio ligado dia e noite, primeiro escutando as terríveis notícias que iam se avolumando já naquele primeiro dia: a enxurrada levara junto toda uma casa no Beco Tallmann, inclusive com as pessoas que lá moravam. Logo pipocavam os comentários: morrera uma menina, morreram duas. Na verdade, também já não lembro mais quantas crianças morreram, mas uma, pelo menos, foi. As rádios anunciavam o nome da família, e eu descobri que conhecia aquelas meninas, que costumávamos ir andando juntas até o colégio. Era quase que o primeiro terror da minha vida, mas ele se avolumaria mais ainda naquela manhã: um soldado que ajudava a salvar animais de uma granja próxima ao quartel também foi tragado pelas águas. E então minha mãe pôs-se a chorar: era amiga de juventude da mãe dele. E quando alguém é filho de uma amiga da mãe da gente, é quase como se fosse também um pouco da gente, e creio que todas chorávamos. O nome do soldado era Moacir Pinheiro. Até hoje passo naquele lugar onde ele morreu, e me lembro. Deram àquela ruazinha da granja o nome dele. E tudo aquilo estava acontecendo muito próximo de onde morávamos. A nossa sorte é que a nossa casa ficava em terreno alto, onde a enchente não chegava. 
                                   Penso que os adultos aquilataram o terror quando, uma a uma, as rádios foram saindo do ar, todas elas atingidas pelas águas do rio da cidade, que não parava de crescer. Sobrou uma, que funcionava em prédio mais alto: a Rádio Clube, onde o radialista Nelson Rosembrock ficou no ar, ininterruptamente, durante 72 horas.
                                   Crianças reagem diferentemente de adultos. Eu penso que acabei dormindo, quando chegou a noite. Tenho certeza que minha mãe, no entanto, deve ter ficado acordada enquanto agüentou, rezando silenciosamente pela volta do meu pai.
                                   Aquela enchente durou um dia, dois, três, penso que quatro, também já não lembro, e por todo o tempo esperamos para saber do meu pai. Onde estaria ele? Estaria vivo? Estaria bem? Ouvíamos, ininterruptamente, a única rádio que sobrara no ar, na ansiedade por alguma notícia dele, e a notícia não vinha nunca. Há que se esclarecer que todos os que tinham condições de se comunicar com a rádio ficavam mandando notícias para suas famílias, mesmo naqueles tempos em que quase não havia telefone.
                                   Onde estava o meu pai? Depois que tudo passou ficamos sabendo o que acontecera com ele: como não podia voltar para casa, ele e um amigo ficaram ajudando as pessoas  das proximidades do serviço deles a atravessar aquele pedaço de enchente numa bateira que os dois tinham construído. Ele não conseguiu contacto com a rádio; não pode nos mandar notícias.
                                   E os dias e as noites passaram, e nós continuávamos ouvindo a rádio sem parar. E, numa tarde, a enchente estava indo embora, e minha mãe tentava nos manter dentro de uma normalidade, sabe-se lá a custas de quais amarguras que engolia para que suas meninas não sentissem o medo que estava dentro dela. Veio a noite daquela tarde, e ela colocou a mesa como em todos os dias, e serviu a sopa, que naquele tempo se tomava sopa antes das refeições. E estávamos na sopa, quando ouvimos! Lá de baixo, de antes da curva da rua, do lugar onde ainda não poderíamos avistá-lo mesmo se fosse de dia, veio o assobio do meu pai! Ele tinha um assobio que era só dele, e que sempre assobiava quando estava quase chegando em casa, para que a gente soubesse que ele estava vindo. E então todas nós largamos a sopa e as colheres, e todas corremos desesperadamente para a rua, com o coração saindo pela boca de tanta emoção, pois sabíamos que ele estava chegando!
                                   E no meio da escuridão foi aparecendo o farol da sua bicicleta, e ele assobiou de novo! Não preciso contar como estava o meu coracão! Foi naquele dia que descobri que amava meu pai!



                                               Blumenau, SC,  09 de Outubro de 2012.

domingo, 1 de outubro de 2017

HOLI FESTIVAL OF COLORS, JAISALMER, INDIA

By Arjun Singh Bhati (Jaisalmer, India)


TECENDO A VIDA

Por Paccelli M. Zahler

(à Maria Letícia, minha mãe)

Quando vim ao mundo,
Não sabia o rumo a tomar
Que o caminho seria longo,
Que teria muito a andar.

Rodeada de tecidos,
Linhas, agulhas, torçais,
Aprendi a costurar,
A crochetar, a tricotar...

Dando forma aos panos,
Os fios a entrelaçar,
Fui tecendo a vida,
Nem a vi passar.

O GAROTINHO BRAGANÇANO

Por Humberto Pinho da Silva (Porto, Portugal)



Não sei se já vos falei de amoroso menino, que conheci, nos anos sessenta, na velha cidade de Bragança.
Tinha a cabeça coberta de farto e fino cabelo; cabelo macio, escorrido, de nuances em ouro velho, que lhe descia até aos ombros. Rosto oval. Pele branca, cetinosa, ligeiramente tostadinha. Olhos vivos e meigos. Lábios bem desenhados. Pescoço alto e esbelto; e cândida expressão, que cativava.
Foi meu companheiro. Companheiro dedicado, com quem passei largos e longas horas de ameno convívio fraternal.
Certa ocasião, após ter vindo, definitivamente, para a cidade do Porto, hospedei-me em modesta pensão bragantina, cuja fachada era fronteira à velha estação ferroviária.
Após o almoço, inesperadamente, surgiu-me, num lanço das escadas, que comunicavam com os quartos, sorrindo. Sorriso lindo, que jamais pude esquecer.
Admirei-me da insólita presença, e indaguei, curioso, a razão de me esperar:
- “ Olá! Então por aqui?! …”
Num trejeito juvenil, disse-me, encolhido, titubeando:
- “ Minha mãe pediu-me para o vir buscar, e ajudá-lo a levar a mala… – Explicou, de mãos enlaçadas, balanceando o corpo.
Agradeci, penhorado, a gentileza, e cortesmente, esclareci que não pretendia incomodar.
- “ O primo Humberto nunca incómoda! …Assim ficamos todos juntos…”
Fiquei sem palavras. Emocionado. Sabia que falava com sinceridade. Os olhos não enganavam…
Não o deixei trazer a mala, como queria. Mala antiga, de cartão endurecido, de cor acastanhada. Insistiu. Recusei. Vencido, acompanhou-me em silêncio.
Ao cruzarmos a Praça da Sé, junto ao Café Central, voltou-se para mim, e, timidamente, declarou:
- “ Minhas irmãs estão ansiosas de o ver…”
Este rapazinho, de bondade e sensibilidade extrema, foi o meu companheiro predileto; amigo sincero e leal, nos anos, que, por obrigação, permaneci na sua velha e encantadora cidade.
Decorrido um bom par de anos, após a derradeira visita, que fiz, encontrei-o, já adolescente, na bonita aldeia de seu pai.
Avizinhou-se, numa tarde abafada de Agosto, com a mesma simplicidade de sempre, e convidou-me para acompanhá-lo a bonito prado, onde pesada vaca, malhada, branca e preta, pastava pachorrentamente, com chocalho barulhento.
Deitamo-nos na relva fofa, mirando o céu azul – onde vagavam pequenas e esfarrapadas nuvens brancas, – sob frondosa e farfalhuda figueira. Uma andorinha, num voo baixo e elegante, rasgou o ar, pairando sobre a relva.
Raios doirados do Sol, crivados pela espessa e fresca ramagem, manchavam-nos o rosto de sombras escuras e claras. Enorme e acolhedora paz, envolvia-nos. Calor de rachar! …Cantavam, não sei onde, à compita, cigarras e grilos – gri, gri.gri…; crass,crass…zzz…- quebrando o murmúrio do silencio.
Os cavalos – que nos transportaram – libertos do selim, espojavam-se, retoiçando e relinchando, alegremente, na relva verde-escura. Ao longe, ladravam cães, e chegavam vozes imperceptíveis, de mulheres e crianças.
Conversamos sobre a canícula, que tudo secava; da beleza de viver à beira-mar; e da tumultuosa vida citadina.
Disse-lhe, então, que dentro de dias tinha que regressar.
- “ E não vai a Bragança?! – Indagou, com pontinha de censura.
- “ Não. Parto diretamente para o Porto.”
_ “ Fique mais uns dias! …A mãe, e minhas irmãs, também gostam muito do primo…”
Não fiquei. Não podia. Na hora da despedida, abraçou-me, beijou-me, e não sei se chegou a chorar.
Fiquei com a sensação – talvez errada, – que me queria dizer, muito baixinho: “ leve-me consigo…”
Soube, mais tarde, por meu irmão, que havia falecido, de forma trágica.
Fiquei triste. Muito triste…
Triste, por não o ter visitado mais vezes. Triste, porque amizades assim, nunca mais encontrei.
Escrevo, esta crónica, ao cair da tarde. Em breve, para as verdes várzeas do Candal, o céu azul, alaranjar-se-á; e tonalidades quentes de vermelho-sangue e amarelo-ouro-esverdeado, pintarão o azul desmaiado do céu, desta tórrida tarde de Verão.
É o pôr-do-sol. Espetáculo apoteótico de luz e cor. Extasiante; sempre renovado e belo, que encanta, e deixa paz na alma angustiada.
O Sol sempre nasce e sempre morre; morre e nasce todos os dias: iluminando, dando vida e cor à Terra.
Mas…Ai de mim! …, que, vertiginosamente, caminho para as derradeiras cores do meu crepuscular…
Em breve chegará a noite negra; mas enquanto não vier o sono, viverei dos lindos sonhos, que vivi, e dos que não vivi, mas gostaria de os ter vivido…
Recordando companheiros que partiram… mas vivem, eternamente, dentro de mim; e os que ainda não partiram… mas já me sepultaram no esquecimento…

Este garotinho não morreu: repousa no meu coração saudoso: sempre jovem, sempre sorrindo, sempre a dizer muito baixinho à minha alma contristada: “ Gosto muito do primo! …”

LIBERDADE DE EXPRESSÃO, É PARA TODOS?

   “Posso não concordar com uma só palavra sua, mas
      defenderei até à morte o seu direito de dizê-la.”

                                                                            Voltaire



Por Humberto Pinho da Silva (Porto, Portugal)


Editora portuense, deu à estampa dois cadernos de exercícios para crianças: um, dedicado a meninos; outro a meninas.
Logo se levantaram vozes indignadas, que, em nome da educação democrática, pediram a retirada dos livros.
Não posso avaliar os conteúdos dos cadernos, porque não os vi; mas admiro-me de tamanha indignação:
Não vivemos num regime democrático, onde cada qual compra o que quer, e goza de liberdade de escolha?! …
Eu sei, que há quem confunda: ensino com educação; e há, igualmente, quem considere: igualdade de oportunidades e direitos, com igualdade de género.
Está em voga, pelo menos no Mundo Ocidental, defender educação igual para ambos os sexos. Pretende-se educar, do mesmo modo como o dinheiro é cunhado na Casa da Moeda. Todos iguais.
Outrora ouvia, muitas vezes, eminentes homens de esquerda, criticar a Mocidade Portuguesa, que pretendia inculcar valores e ideologias caras ao Estado Novo.
Diziam – e bem, – que cabia aos pais escolher e orientar os filhos; encaminhando-os, na vida, segundo seus princípios e valores.
Em nome da “ liberdade”, o Estado Novo retirava do mercado, tudo que não perfilhasse a ideologia em vigor. Era a ditadura.
Agora, em nome da “liberdade”, condenam, criticam e insultam (por vezes,) tudo e todos, que não seguem a ideologia “oficial”. É o direito democrático.
Como os antigos antifascistas (se me permitem pensar,) penso: cabe aos pais, educadores – enfim à família, – educar as crianças, dentro dos padrões e princípios que professam.
Não há – como alguns afirmam, – uma educação; mas várias. Como não cabe ao Estado e à classe politica, impor, mas defender a livre escolha e a livre opinião.
Há educadores, de países – de amplas liberdades, – que procuram igualar os sexos, desde a mais tenra idade: para isso, as casas de banho de escolas, são unissexo; e defendem, até, que cada qual, traje, como deseja: de saia, calção ou calça comprida, sejam meninos ou meninas.
Pretendem, deste modo, igualar o género, mesmo quando os pais e as crianças, não querem: por pudor ou vergonha.
Admira-me, todavia, que, certas pessoas, que eram acérrimas puritanas, no tempo da ditadura, fiquem agora silenciosas, permitindo que o direito de expressão e de educação, sofra tratos de polé.
Teriam mudado de opinião ou acomodaram-se?
Admira-me, mas não devia admirar-me, porque os que defendem plena liberdade, costumam ficar mudos, quando se trata de a defender, em certas zonas do globo…
Mas, já o nosso Camões, dizia: “ É fraqueza entre ovelhas ser leão” (Lus. Cant. I - LXVIII).

E há tantos leões!...

SEDE

Por Pedro Du Bois (Balneário Camboriú, SC)

(para Carmen Sílvia Presotto, em memória)



Porque da sede somos o cantil repleto

temos deveres e direitos em obrigações

diversas dos outros que são a seca

no copo vazio onde não aplacam iras

nem votos declarados como prática

da ética: infiéis procuram nas luas

sinais externos de que a vingança

se fará breve e ilusória na hora

em que apenas o sonho for visto

sobre dunas em águas salgadas



meu barco não será seu barco

nem nosso o impulso dos remos

que nos levará as terras opacas

entre espelhos foscos

e o cantil estará pela metade



instante em que nos vemos

sem entendermos as razões

além das órbitas e rotações



por ciúme derramamos o líquido

sobre as faces que na sede

temos o cantil vazio: em areias

encalhamos o barco ao fazermos

as mãos destrançadas em ritmos

e gestos de até logo.


THIRST

By Pedro Du Bois (Balneário Camboriú, SC)

(Marina Du Bois, English version)

(to Carmen Sílvia Presotto, in memoriam)


As we are the full cantel for the thirst

we have duties and rights in different

obligations from the others who are the

drought in the empty glass where they

do not placate ehtics wraths or declared vows

as ethics’ practice: infidels seek on the moons

external signs that revenge will become brief

and illusory at the time that only the dream

is seen above dunes in salt water



my boat will not be your boat

nor ours the impulse of oars

which will take us to opaque lands

between frosted mirrors

and the cantel will be in half



moment that we see ourselves

without understanding the reasons

beyond the orbits and rotations



out of jealousy we pour the liquid

on the faces that on the thirst

we have an empty cantel: on sands

we run aground the boat as we do

with untied hands in rhythms


and gestures of good-bye.

CONHECIDOS

Por Pedro Du Bois (Balneário Camboriú, SC)


Conversamos longas horas

fôssemos amigos de sempre

e nossas infâncias

precisassem ser revistas

nos sonhos alcançados

pelas frustrações dos caminhos

raiva e ódio do que deu errado

rimos velhas piadas repetidas

e a bebida nos subiu a cabeça

embriagados entre tempos



as restantes horas foram de silêncios

olhares dispersos nos móveis da sala

o constrangimento na falta de assunto

nossas conversas passadas no início

desencontros impostos pela vida

no vício do trabalho e famílias



fomos conhecidos outrora

colegas nos bancos escolares

que se reencontram por acaso

esquecidos das lembranças


logo voltem aos seus mundos.