sábado, 2 de novembro de 2019

DIVERSIDADE


Por Amanda Machado Mugica (Bagé, RS)


Enfim, o que é ser diverso?
É ser diferente?
Que mundo é esse ao qual sou pertencente?
Meus anseios e desejos, quero-os respeitados!
Somos seres humanos de fato
e, em nossa completude,
mostramos as minúcias.
A cada detalhe expressado,
evidenciamos do que somos capazes...
É a diversidade expressa em cada detalhe!
Os cinco sentidos ganham
uma espécie de “olho mágico” do conhecimento.
Enfim, também, idealizo meu pensamento
e o que mais transborda  em mim,
é a diversidade do meu ser,
que verte a incompletude buscada
em dias de infinito superar-se.
Nesta diversidade, é que está
o completar-se do SER  que, com sensatez, é HUMANO!

( A autora é membro do Movimento dos Escritores Bageenses –MEB )

DESTINOS


 Por Magda Cristina Silveira Gehres (Bagé, RS)

Quatro mulheres,
quatro destinos
ligadas  por laços divinos...
Pilastras de vidas
intensas  e interrompidas.
Quatro mulheres, decisões tomadas,
mudaram  rumos,
transformaram  jornadas.
Na infância, foram  constância...
Na adolescência, mostraram prudência.
Na maturidade, passaram paciência.
Na velhice, nada mais que sapiência...
Quatro mulheres que andaram juntas
e, às vezes, por caminhos diferentes,
mas jamais estanques.
Quatro mulheres
que venceram obstáculos,
quebrando  barreiras,
enfrentando  a morte – terrível companheira.
Quatro mulheres de imensurável valor
provaram que o amor
prevalece à dor.
Quatro mulheres de vivência sofrida,
inseparáveis até na partida.
Mãos entrelaçadas, unidas
sinalizando a todos
que a morte é breve despedida.

(A autora é membro do Movimento dos Escritores Bageenses – MEB. Segundo ela, o poema produzido para homenagear as mulheres de sua família, por ocasião da morte da matriarca, sua avó Dinorá Charão; as netas, Simone Rossi, Magda Gehres e a bisneta Amanda Gehres )


DIFERENÇAS


Por Marilene Figueiredo Nunes (Bagé, RS)


Diferenças há em todos os lugares!
A vida e o mundo não são feitos em única forma.
As flores, as cores, os animais, os lugares
são diferentes em sua dimensão.
Nas pessoas?  São enormes e indiscutíveis!
Gestos, olhares, comportamentos e pensamentos...
Cada um é absoluto!
Cada um na individual célula familiar...
Atitudes, hábitos, costumes, pensamentos e sentimentos são diferentes!
No casulo da família, são definidas a essência e a índole.
Quando saem, lançam seus vôos bem ou mal formados...
A sorte é lançada para o convívio social !
Então, percebemos a capacidade, talentos e dons,
através das atitudes.
Percebemos emoção e razão;
sinceridade e falsidade;
verdade e mentira;
confiança e temor;
amor, amizade e bem querer;
amargura e crueldade;
inveja e ciúmes
e o afeto que faz a diferença nos desafetos.
O céu e a terra demarcam as diferenças em seus espaços:
os astros, no firmamento;
a água nos mares, nos rios, córregos e lagos.
A vida tem seus inícios e fins.
E o maior desafio humano é confrontar seu semelhante.
Viva as diferenças?
Cuidado com as diferenças!
Cautela!  Conviver com elas, é a maior prova de resistência.
Fácil? Nem um pouco!
Impossível?  Possível !  Se houver cautela e bom senso...
Diferenças sim!
Igualdades nem sempre!
Nas diferenças, aprendemos.
Na igualdade, estacionamos!
Vida é igualdade versus diferença!

( A autora é membro do Movimento dos Escritores Bageenses - MEB)

LAMENTOS


Por Pedro Du Bois (Balneário Camboriú, SC)

Reclamamos estarmos juntos
ao renovarmos os gritos
e assinalarmos o silêncio
no sorriso das crianças 
que nos estendem o futuro: não
                        nos espelhamos
         e opacos recrudescemos 
no alvorecer: o tardio nos alcança
ao fecharmos a porta: no vento
         o calor aumenta a espera
em que esperta força avassala
povos entregues ao que está escrito 
     ndas ideias abandonadas na fuga.
  
Sabemos do retorno
e nos escondemos nas pedras
que a areia leva o recado do asseio
recusado à serpente que rasteja no solo
em que se reconhece espécie.

A carne - a carne se oferece - fecha
o momento em que a fuga se repete
no outro lado da nova imagem. 

Gritos em que o eco reclama
a passagem por sabermos imagéticas
as letras impróprias ao consumo.

AMORES


Por Pedro Du Bois (Balneário Camboriú, SC)


Desconheço no gesto
o hábito reproduzido na redação
do espaço: branco sentido
                               senso
                               sonso
rosto compadecido. Sem o sinal impedido
do início em nada à frente: sonhos
recomeçados de onde houve a interrupção.
O ontem das validades comprometidas
no cheiro da fêmea em sua chegada
transgressora de leis inócuas
em perdido contato: sentinelas adormecidas
e fadas madrinhas: no ódio inclemente
estaríamos de acordo com a sentença?

Senhores permanentes abaixam os olhos.
Na confirmação basta o silêncio: a condenação
exige o confronto e o assíduo convívio
entre as partes ao desconhecer no vício o cansaço
e dele servir-se com poucas inverdades.

Suas desculpas
nossas desculpas e o desconhecimento
ignoram as razões de ficarmos inertes
na intempérie e aceitarmos nos amores
a frivolidade do gesto desconhecido.


VIVO CONDENADO


Por Vivaldo Terres (|Itajaí, SC)

Ah! Que este amor!
Desencanta-me...
E me tira a alegria de viver.
É toda a causa do meu padecer!
*
Pois vivo a sofrer...
Desesperado!
Sem um alento, vivo condenado.
A amar!
Quem não nunca me quis...
Deixando-me toda vida infeliz.
*
Mas coração, por favor...
Pensa em mim!
Esquece ela,
Até porque fazes parte.
Do meu ser e não do dela!
*
Tenha pena de mim!
Por piedade.
Manda para bem longe,
Esta saudade...
Que em meu peito...
Se instalou!
Retira do meu coração este amor.


VENTO ORGULHOSO


Por Vivaldo Terres (Itajaí, SC)

Quando ela passou,
Fiquei deslumbrado.
Tal a beleza e tal encantamento,
O vento passou...
Cruel e ciumento.
Acariciou feliz e foi embora,
E ela acariciada,
Continuou andando,
Pela estrada afora.
*
E eu presenciando essa cena,
O vento orgulhoso.
Eu o vi passar,
Juro que o invejei.
Pois nela nunca,
Poderei tocar.
*
E ele sempre garboso,
E poderoso.
Por esta facilidade que possui...
 De quando quiser fazer mais.
E eu pobre mendigando,
O amor dela.
Nunca poderei fazer com ela,
O que ele faz.


CRIANÇA


Por Vivaldo Terres (Itajaí, SC)

Criança é a nossa alegria,
Com seu sorriso puro e inocente.
Nós traz paz e tranquilidade...
O que nós alegra ao coração e a mente.
*
Mas também há preocupação.
Pois Deus a colocou em nosso caminho.
 Sabemos todos que ela, hoje é flor,
 Mas amanhã poderá ser espinho.
*
Depende muito do ensinamento,
E da educação que dermos a ela.
Temos que regá-la,
 Com o liquido chamado amor e ternura!
Pois isso é essencial para que...
Permaneça o que existe nela.


FIM DE SEMANA


Por Vivaldo Terres (Itajaí, SC)

Quando me beijas!
Fico impressionado,
E relembro que alguém...
Um dia fez parte,
Do meu passado!
*
Um passado que poderia ser lindo!
Mas não foi!
Foi com dissabor...
Depois de fingir amar-me,
Ela me deixou.
*
Até hoje sinto a dor...
Da traição!
Que feriu com punhal...
O meu coração...
Dor tão dorida!
Que me faz duvidar,
E chego a pensar...
Em não mais amar!
*
Como acreditar...
Se alguém me ama!
Se esperávamos ansiosos,
O fim de semana...
Para irmos à praia,
Ou em outro lugar...
E não perdíamos tempo!
Em nós amar.


NUNCA MAIS A VI!


Por Vivaldo Terres (Itajaí, SC)

Sinto o meu peito enfermo...
E solitário!
Desde o dia que ela partiu...
Quando me lembro...
Desse triste dia.
Era inverno e estava bem frio!
Mesmo assim...
Ela ignorou o meu pedido!
E partiu.
*
Pois na sacola...
As suas simples vestes!
Nada pediu!
Mas colocando...
A minha mão no bolso.
Retirei do mesmo...
Algum dinheiro!
Sabia que era pouco!
E com isso não fiquei contente.
Mas com esse ato,
Pode encostar...
Com a minha consciência limpa!
A minha cabeça no travesseiro.
*
Depois desse dia...
Nunca mais a vi!
Só tenho no peito...
A recordação...
Daquela que amei,
Ainda tão jovem!
Que apesar dos anos...
A sua imagem...
Não sai da minha retina!
E sua voz ainda me fascina.


TERMINOU TUDO


Por Vivaldo Terres (Itajaí, SC)

Tu foste um sonho dourado!
Cheio de amor,
E meiguice...
Mas que um dia terminou,
Tudo para mim...
Ficou triste!
*
Não vejo mais a roseira.
Que um dia tu plantaste...
Minha alma ficou tão triste.
Nesse triste desenlace!
*
Terminou tudo para mim!
A vida já não existe...
Sei que não mais voltaras...
 Para eu deixar de ser triste.


NOITE DE IMENSO AMOR


Por Vivaldo Terres (Itajaí, SC)

Quando ela passa por mim apressada!
Pela mesma calçada,
Que ambos pisamos, bela e fascinante...
Seu perfume maravilhoso!
Chega-me a inspirar-me desejos estranhos,
*
Ou seja, de estar com ela numa alcova a sós!
Pra matar meus desejos cobri-la de amor...
E em seus lábios macios...
Sentir a doçura de seus doces beijos!
*
Cheguei a sonhar que éramos casados...
E nossas noites eram de imenso fulgor!
Mas quando me acordei estava só,
Sem os seus beijos e sem seu amor!


FESTIVAL SEIS CONTINENTES DE ITAJAÍ, SC


Por Clarisse da Costa (Biguaçu, SC)
                                                              
            O Festival 6 Continentes como sempre trouxe muita cultura e carinhas novas prestigiando o que há de melhor no cenário cultural catarinense. E eu como sempre estive presente nesse momento único, tive de encontro com grandes poetas memoráveis!  Com o Vivaldo Terres eu tive uma breve conversa sobre uma cultura mais ampla e uma educação inclusiva. Com leveza e sabedoria, presenciei no palco a sua poesia com o seu sorriso maroto estampado no rosto.                                                                       
            Nesse contexto todo fiquei lado a lado com a nova geração poética e a antiga geração, ali diante de Samuel da Costa e Vivaldo Terres pude ver o quanto a nossa cultura brasileira se renova com o passar dos anos.  Samuel traz a sua poesia pós-moderna onde se contrasta com o simbolismo e o surrealismo. Vivaldo traz todo o seu romantismo à moda antiga, daqueles que escreve bilhetinhos de amor e entrega flores à jovem amada.                                                                
            Mas eu não fiquei de fora do palco, mesmo com toda dificuldade para subir os degraus da escada que ali estava eu com toda a minha ousadia fiz a minha intervenção poética, declamei o poema que escrevi com alguns poetas de Moçambique, levei para todos os presentes o poema ‘’A Paz Em Tons Reais’’. Eu quis mostrar que nós negros fazemos parte deste mundo e que podemos alçar voos mais longos, até onde o nosso limite permitir.
            Que a paz só é possível quando há respeito, afeto, parceria, solidariedade e liberdade de ser. O que eu levo desse festival? Que é hora de alçar novos voos. E que venha uma nova jornada cultural. Quem me prestigiou desejo os meus sinceros agradecimentos.

Contato: clarissedacosta81@gmail.com

terça-feira, 1 de outubro de 2019

VIDA MARIA (ANIMAÇÃO)




Fonte: YouTube.

TÉCNICA


GRILHÕES


PRIMAVERIL


VENTOS


Por Pedro Du Bois (Balneário Camboriú, SC)



O que traz o vento

repleto

recoberto

pela poeira

no estertor


do ocaso



o vento traduz

o tempo

rápido

em retrospectos

e revoltas



avança e retrocede

vidas escamoteadas

no corpo dolente contra a parede

onde os olhos se refletem



o sexo ligeiro como contados os versos

em recorrentes correntes: os olhos sentem

o cansaço e o corpo espera: venta.

TRAIÇÃO


Por Pedro Du Bois (Balneário Camboriú, SC)



Poderia ser o início da tempestade

insidiosa em que os amigos são trocados

por favores ignóbeis. Rochas partidas

de insípidas mensagens. O outro lado

estabelece as regras. O viés da marcha

desmanchado na estrada e o calor do corpo.

Cessam os lamentos em mentiras

e do nada - o restante - ressurgem

as glórias: por isso são brancos os panos

das entregas. Desonrosa, matemática

em centavos milimetricamente

esperados sob o agasalho. A arena

irrompe mãos apaixonadas pela justiça.

Não eram deles as vitórias em lendas

ouvidas dos mais velhos: o rancor precede

o campo de batalha na ironia do cardo

penetrado em sangue. Olhar tenso

com que se despede na vida destroçada

e a certeza - sim a certeza - do condenado

na tristeza permanente com que olha o amigo.

AMOR FIEL

Por Vivaldo Terres (Itajaí, SC)

Que sofrimento...
Sem a tua presença!
Que horas vazias,
E dias longos...
Ao me maltratarem!
Com a tua presença...
Eu não percebia...
As horas passarem,
E os dias e meses...
Em meu calendário.
*
Agora sem a tua presença!
Como custa o tempo passar.
As horas não passam.
Os dias e meses também.
Mas uma coisa...
Quero que saibas,
Que depois de ti...
Eu não vou amar ninguém.
*
Pois o amor!
É algo sublime...
Nunca poderá ser substituído!
Pode-se até juntarmos...
A outro alguém,
Para preencher espaço!
Mas o amor fiel...
Jamais poderá ser substituído,
Ou esquecido.

PRIMAVERA IV

Por Vivaldo Terres (Itajaí, SC)

Quando chega a primavera!
Com seus jardins encantados,
Exalando seus perfumes...
Num ambiente sagrado.
*
Pela manhã nossos pássaros!
Demonstrando seu valor...
Formam uma sinfonia,
Cantando um hino ao amor.
*
Primavera é a estação!
Muito bela e colorida...
Estação que nos da paz,
Estação que nos dá vida.

NÃO EXISTE MAIS DIÁLOGO

Por Vivaldo Terres (Itajaí, SC)

Já não te quero como antigamente!
Pois o presente mostra,
O que tu és...
Mudaste como nunca imaginei...
Hoje estas querendo.
Que eu o tempo todo!
Viva ajoelhado aos teus pés.
*
Mas estas enganada...
Se pensas que isso irá acontecer!
Até porque na minha vida e na tua,
Nenhum de nós...
Tem muito a perder.
*
Hoje te convido a pensar!
E acredito até ser melhor...
Para nós...
Pois na nossa casa!
Não existe mais diálogo...
Já cansei de escutar!
A tua voz.

NEM TODOS OS TÊM

Por Vivaldo Terres (Itajaí, SC)  

Amor é a essência!
Que nasce na alma...
E no coração de alguém,
Nem todos podem amar...
Porque nem todos os têm.
*
O amor é a alegria...
É sentimento profundo,
Que nasce no fundo...
Da alma!
E se espalha pelo mundo.
*
Ah! Quem tem este privilégio.
De por alguém ser amado!
Agradeça sempre a Deus...
Pois o amor é sagrado.

PROCURA

Por Vivaldo Terres (Itajaí, SC)

Ando a procura de alguém!
Que saiba me entender,
E me compreender...
Nas minhas horas...
Tristes e incertas,
Amenizar os meus sofrimentos!
E consolar o meu coração,
E a minha alma de poeta!
*
Ah!Como seria bom...
Se esse alguém...
Eu já tivera encontrado,
Tenho certeza...
Que a minha vida seria outra.
Isso porque o meu coração!
E a minha alma,
Já estariam consolados.
*
Mas continuo nesta procura.
Não sei até quando chegara,
Não importa o tempo que leve!
O importante é encontrar.

EU QUE NÃO PREFERI AS ALEGRIAS EXTERNAS

Por Vivaldo Terres (Itajaí, SC)

Espero que algum dia te arrependas!
De tudo que fizeste,
Para mim...
Eu que te dei,
O que demais precioso existe...
Que era o grande amor,
Que ainda existe em mim!
*
Eu que não preferi as alegrias...
 Externas!
Pois a minha maior alegria,
Estava em ti...
Que a cada beijo!
E a carinho trocado,
Aumentava mais e mais...
Este amor que existe,
Em mim por ti.
*
Mas quem sabe um dia...
Voltes a lembrar!
Do passado maravilhoso...
Que tivemos,
E trilharas o meu caminho!
E me darás essa alegria...
Como prêmio!